Mês do Consumidor
Termina em:
Setup com dois monitores com MiniLed e uma cadeira gamer.

MiniLED. Essa tecnologia de tela ainda é tendência?

Como tem sigla esse mercado da tecnologia, né? E se você passar perto de uma loja que vende TV ou monitor, pode ver algumas delas como LED, OLED, MiniLED entre outros.

Tem gente que não faz ideia do que isso significa ou, quando muito, “já ouviu falar”. Outros, só querem saber mesmo qual é o melhor desses aí.

É o que a gente vai investigar neste texto e, até o final, você vai entender o que quer dizer cada uma dessas siglas, qual sistema é melhor e, principalmente, se o MiniLED ainda vale a pena.

Vamos lá.

LED, OLED e MiniLED. O que fazem e qual a diferença entre cada um

Monitor vertical em um setup home office.

Toda TV e monitor precisam de luz, no sentido literal mesmo, viu? A gente está falando de um sistema de iluminação para iluminar a tela.

E essa é uma parte fundamental da sua TV ou monitor para que as imagens sejam visíveis. Sem isso, você não enxergaria as cores e informações que passam na tela.

Além disso, a iluminação certa influência no brilho, contraste, qualidade de imagem e, claro, economia de energia.

O LED, OLED e o MiniLED são sistemas de iluminação usados nas telas mais comuns do mercado, mas cada uma com suas diferenças e qualidades.

E a gente vai entender um pouco disso agora!

O que é LED?

A gente começa pelo LED porque é o sistema mais conhecido do mercado e faz parte de vários modelos de TV’s e monitores do mercado.

“Mas LED não é aquele pontinho de luz”? Se você está se perguntando, sim. É esse ponto de luz mesmo que, inclusive, está presente em várias telas de grandes marcas.

É posicionado ao fundo de um monitor e o responsável por iluminar os pixels (pontos de cor de uma tela) e, assim, formar a imagem que a gente vê.

Imagine uma casa escura. O LED é como um sistema de lâmpadas que, quando acionado, acende para te ajudar a enxergar os elementos daquele espaço.

O que é OLED?

O OLED já é bem diferente porque, se comparado com o LED, é uma tecnologia mais refinada, já que dispensa um sistema de iluminação.

Neste caso, os pixels têm luz própria. Por isso que monitores ou TV’s com este sistema são mais finos, já que o painel de LED não existe nesse tipo de tecnologia.

No exemplo da casa, é como se não tivesse lâmpada no lugar. Mas cada objeto dali pode emitir luz própria.

O que é MiniLED?

Painel de MiniLED posicionado atrás dos filtros de uma tela.

É considerado uma evolução do LED tradicional. Pode se dizer que é uma tecnologia nova, já que chegou ao Brasil de 2021 para 2022 e ainda não se popularizou.

Se no LED os pontos de luz são maiores (5 mm a 8 mm) e em um número menor, no MiniLED vemos o oposto: pontos de luz bem menores (de 0,1 mm a 0,2 mm), mas em um número bem maior no painel.

Em outras palavras, a zona de iluminação no MiniLED é muito maior, o que possibilita mais brilho à tela com essa tecnologia.

Como os leds do MiniLED são menores, ocupam menos espaço e, por isso, as telas com essa tecnologia também são mais finas.

Além disso, essas luzes podem ser controladas pela tecnologia do monitor ou TV. Isso quer dizer só acendem os leds necessários, o que possibilita um maior controle de iluminação.

Numa casa, é como se existissem pontos de luz em todo o canto e objetivo do lugar, que acendem por grupos ou tudo de uma vez.

Vantagens e desvantagens desses sistemas de iluminação

Bom, até aqui falamos de outras tecnologias para que você pudesse entender como cada sistema de iluminação de monitores funciona.

Agora, é possível fazer uma comparação e entender as vantagens de cada um desses sistemas.

O LED, por ser o mais convencional, é a tecnologia mais barata e faz parte da maior parte dos aparelhos do mercado.

Mas é um sistema mais limitado e entrega menor brilho contraste e, por isso, uma menor qualidade de imagem.

Por outro lado, o OLED tem um maior contraste e ângulo de visão. Por isso, tem o chamado “preto real” e uma imagem de alta qualidade.

Porém, menor vida útil. Além de apresentar o burn-in, que é aquela marcação na tela quando uma imagem fica muito tempo em exibição (muito comum em celulares).

E os pontos fortes e fracos do MiniLED?

Precisamos destacar alguns pontos dessa tecnologia. Você vai notar que o sistema supera, em certos aspectos, os outros aqui apresentados, mas também há pontos de atenção.

- Mais brilho: com o maior número de leds, é possível ter uma maior iluminação e, com isso, controle de brilho e contraste superiores;

- Qualidade de imagem aprimorada: com o controle preciso da luz de fundo, o MiniLED oferece uma imagem com um maior nível de detalhes, com cores mais precisas e preto profundo (parecido com o OLED);

- Eficiência energética: o sistema de iluminação mais eficaz do MiniLED resulta em um consumo de energia mais baixo;

- Vida útil: o tempo de uso do MiniLED é ainda mais prolongado, o que significa que os dispositivos com essa tecnologia podem requerer menos manutenção;

- Design mais fino: como o MiniLED traz leds mais compactos que o tradicional (LED), isso permite um design mais fino e elegante para dispositivos como TVs e monitores;

- Custo alto: dispositivos com esse sistema de iluminação costumam ser mais caros em comparação com os de LED convencional;

- Blooming: efeito em que a luz de um ponto brilhante na tela se espalha para a parte mais escura. Exemplo: na cena de um filme, a luz de uma estrela pode iluminar também parte do céu escuro, como se tivesse um halo entorno da estrela.

Afinal, o MiniLED ainda é bom?

Sim, o MiniLED ainda é considerado uma tendência significativa na indústria de tecnologia, especialmente em relação a dispositivos de exibição, como TVs e monitores.

Como traz uma série de vantagens em termos de qualidade de imagem, eficiência energética e design, é uma escolha muito interessante para quem vai comprar um monitor.

Além disso, é uma tecnologia que passa por inovação contínua. Isso quer dizer que os fabricantes continuam buscando melhorias na qualidade de imagem.

Não à toa, gigantes do mercado aplicam o sistema MiniLED em seus dispositivos, para que os usuários tenham uma experiência de visualização ainda melhor.

Um das inovações do mercado que trazem essa tecnologia é o monitor 2030 XTi, da Elements. É um produto indicado para profissionais, como designers, editores e fotógrafos, que precisem de imagens com cores mais precisas.

Com essas considerações, é provável que o MiniLED continue sendo uma tendência importante na indústria de tecnologia nos próximos anos

Claro, à medida que os fabricantes buscam oferecer dispositivos de exibição de alta qualidade, eficientes em termos de energia e visualmente atraentes para os consumidores.

Banner clicável do monitor 2030 XTi da Elements. Traz a frase "sinta a experiência de ter dois monitores em uma única tela".

 

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.