Mês do Consumidor
Termina em:
É madeira de lei? Descubra quais são as espécies e o que significa o termo

É madeira de lei? Descubra quais são as espécies e o que significa o termo

Não tem segredo, a madeira é um recurso natural que está em todo o canto: na paisagem, na construção das casas e, também, dentro de casa – móveis e decoração. 

Mas um termo frequente, relacionado ao material, se tornou muito frequente: madeira de lei. Sabe o que é curioso? A expressão é de uma época que nem seu avô, caro leitor, era nascido. 

E, neste artigo, a gente vai explicar o significado do termo, explorar algumas das espécies mais conhecidas dessa categoria e fazer uma comparação com a madeira de reflorestamento. 

Também não sabe o que significa essa última expressão? Vamos lá que nós vamos explicar. 

O que é madeira de lei? 

O termo surgiu nos anos em que o Brasil era colônia de Portugal. Na época, a expressão madeira de lei era designada a espécies que só podiam ser extraídas com autorização da Coroa. 

Desde então, o nome é usado para se referir a madeiras de árvores nativas de florestas naturais, conhecidas por sua densidade, durabilidade e resistência. 

Na maior parte dos casos, as madeiras de lei são de árvores que crescem lentamente e espécies com resistência natural a insetos, fungos e outros elementos ambientais. 

Tudo o que torna esse tipo de recurso altamente valorizado. Em outras palavras, madeira de lei é um produto nobre e de característica única. 

Espécies de madeira de lei mais conhecidas 

Você pode até não ter visto exemplares de madeira de lei, mas, com certeza, já ouviu, pelo menos uma vez, os nomes de árvores relacionadas a esse recurso tão nobre. 

Veja alguns exemplos logo abaixo e repare que todas tem qualidades em comum, como resistência e durabilidade. Algumas espécies podem viver por centenas de anos na natureza. 

- Ipê: uma das madeiras de lei mais famosas e apreciadas, o Ipê é conhecido por sua resistência a insetos e sua durabilidade. 

- Jatobá: esta madeira de cor marrom-avermelhada é valorizada por sua alta resistência e aparência atraente. 

- Muiracatiara: com uma tonalidade variando de marrom-claro a avermelhado, esta madeira é conhecida por sua resistência e beleza. 

- Peroba-Rosa: reconhecida por sua cor rosa-avermelhada e textura distinta, a Peroba-Rosa é uma árvore nativa da Mata Atlântica. 

- Mogno: de coloração escura, é uma das madeiras de lei mais desejadas do mundo, pois é considerada a de melhor qualidade encontrada na natureza. No entanto, está ameaçada de extinção. 

O que a lei diz sobre a extração da madeira de lei? 

Toda essa resistência da madeira de lei, inclusive a agentes naturais, como insetos e mofo, fez dessas espécies um objeto de desejo na construção civil e indústrias de móveis e decoração. 

Não à toa, o desmatamento faz com que parte dessas espécies vá, aos poucos, desaparecendo da natureza. É o caso do mogno, citado logo acima. 

Por conta disso, a exploração desse tipo de recurso é totalmente controlada pelo Governo Federal. 

Tanto que o corte dessas espécies é proibido. A derrubada só pode acontecer com a autorização de órgãos ambientais ligados ao governo. 

O corte sem autorização é considerado um crime ambiental e pode render até um ano de prisão, além de multa. 

Onde a madeira de lei é usada? 

A cobiça pela madeira de lei vem de vários setores: construção civil, indústria de móveis, fábricas de instrumentos musicais, indústria naval etc.  

Portanto, a madeira de lei é usada para a construção de decks, pisos e móveis externos. O Ipê, por exemplo, é a madeira mais procurada para estes fins. 

O Jatobá, por exemplo, é procurado para a fabricação de móveis de altíssima qualidade e de luxo, além de acabamentos internos de casa de alto padrão. 

Também é o caso da Muiracatiara, madeira comumente usada em construções, como vigas e pilares. 

Já a Peroba-Rosa é utilizada em marcenaria fina e em móveis de alto padrão, por conta de sua cor chamativa e resistência. 

Madeira de lei x Madeira de reflorestamento 

Nessa discussão, surge um outro termo: madeira de reflorestamento. As espécies dessas categorias são diferentes e apresentam qualidade e impactos distintos. 

Como você viu acima, a madeira de lei vem de florestas naturais. Muitas vezes, é explorada de ecossistemas vulneráveis, o que pode resultar em impactos negativos no meio ambiente. 

A preocupação com a conservação dessas espécies vem, até mesmo, de órgãos internacionais. Por isso, as regulamentações são rígidas. 

Aí vem a madeira de reflorestamento, que tem origem em áreas cultivadas e manejadas especificamente para a produção de madeira. 

Geralmente tem um impacto ambiental menor, pois é cultivada de forma controlada. Por isso, a exploração dessas espécies pode aliviar a pressão sobre as florestas naturais e promover a sustentabilidade. 

Espécies de madeira de reflorestamento 

 

Abaixo você vai conhecer as espécies de madeira de reflorestamento mais comuns. Mas, no geral, é usada na construção civil, de móveis de ala qualidade, papel e acabamentos internos. 

- Eucalipto: árvores de rápido crescimento e uma das preferidas da indústria, pois fornecem uma madeira versátil. 

- Pinus: outra espécie de crescimento rápido, o Pinus é apreciado por sua madeira reconhecidamente mais leve. 

- Teca: uma madeira nobre de reflorestamento, a Teca é valorizada por sua resistência à umidade. 

- Mogno Africano: uma alternativa sustentável ao mogno tropical, o mogno africano é cultivado em plantações e oferece uma madeira de qualidade. 

A madeira de reflorestamento não apenas atende à demanda por madeira, mas também contribui para a restauração e conservação de áreas naturais degradadas. 

No entanto, é essencial que as práticas de manejo sejam realizadas de forma responsável, garantindo a biodiversidade local e a saúde do ecossistema em geral. 

Ao escolher madeira de reflorestamento, os consumidores estão fazendo uma escolha consciente em prol da sustentabilidade ambiental. 

Conclusão 

A madeira de lei tem sido um recurso valioso por séculos, mas seu valor também traz preocupações sobre a conservação dos ecossistemas. 

Na hora de escolher madeira para projetos, é importante considerar não apenas a durabilidade e a aparência, mas também o impacto ambiental de sua escolha. 

Seja madeira de lei ou de reflorestamento, optar por fontes sustentáveis é uma maneira vital de contribuir para a preservação de nossas florestas e do planeta como um todo.

 

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.